Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Why We Broke Up

 

Autora: Daniel Handler

Sem Lançamento em Portugal aquando da Revisão

 

 

Sinopse

I'm telling you why we broke up, Ed. I'm writing it in this letter, the whole truth of why it happened.
Min Green and Ed Slaterton are breaking up, so Min is writing Ed a letter and giving him a box. Inside the box is why they broke up. Two bottle caps, a movie ticket, a folded note, a box of matches, a protractor, books, a toy truck, a pair of ugly earrings, a comb from a motel room, and every other item collected over the course of a giddy, intimate, heartbreaking relationship. Item after item is illustrated and accounted for, and then the box, like a girlfriend, will be dumped.

 

Opinião

Este livro... Eu nem sei... Eu tenho uma queda para este tipo de histórias trágicas e pós-relacionamento que é uma coisa estúpida, e quando vi o título deste livro (sem sequer ter lido a sinopse) disse logo para mim mesma 'well, mais um para a tbr'. Sinceramente, não pensei que o lê-se tão cedo, mas aconteceu.

 




A sinopse, ainda que pareça muito vaga, resume muito bem o que fala o livro. Esta história é uma carta que a Min (uma rapariga cheia de esquisitices e obcecada por filmes antigos) escreve ao Ed (o típico jogador de basketball fofo e popular) depois de uma relação muito atribulada e ofegante (honestamente, se me escrevessem uma carta tão grande, eu queimava-a). Cada item da caixa de tesouros tem uma história que está ligada a um momento especial entre eles os dois e em como, de uma forma ou de outra, a relação ou estava destinada a vencer ou à morrer na praia.

Li este livro em dois dias e pouco e digo-vos, foram os dois piores dias do meu mês, chorei que me desunhei, andava mais deprimida que sei lá o quê. É este o poder real do livro. Chamem-me o que quiserem, mas a partir do momento em que percebi que estava a chorar mais que o normal foi quando me apaixonei por este livro, porque são os livros que nos fazem relembrar de momentos das nossas vidas que valem a pena ser chamados de contemporâneos.

Não vou spoilar ninguém, até porque esta sinopse pode induzir ou não em conclusões precipitadas, posso-vos apenas garantir que é uma aventura tão diferente e tão estranha que nos prende logo a atenção: começa não se sabe bem como ou porquê e desenrola a partir dali quase que como sem ter nenhum rumo. Achei, e tendo em conta que isto é uma história contemporânea (não significando que seja verídica) que foi muito apressada em vários aspectos. No entanto compreendi o porquê dessa 'pressa', até porque todos sabemos (ou temos noção) que as pessoas apaixonadas são caracteristicamente estúpidas e ingénuas e acham que tudo dura sempre. As personagens agradaram as minhas expectativas, sendo este um livro que também lida muito com estereotipagem e classes sociais entre membros do ensino secundário. O interessante da história, agora que já reflecti, é que a Min, depois do final da relação, decidiu fazer uma retrospectiva e contar os motivos pelos quais, para ela (e também para mim), aquela relação nunca iria vingar.

A partir do momento em que lemos um livro destes sabemos que o final da história de amor está a chegar, e surpreendeu-me o facto de ter dito tantos palavrões quando chegou esse momento. Tinha alguma fé no Ed, e depois... Lá está outra coisa fantástica deste livro: ele embala-nos numa cantiga tão doce e quase imperceptível que vivemos as coisas tal como a Min as viveu e nelas acreditou. Revivemos também, de uma forma ou de outra, momentos da nossa vida que nos marcaram particularmente, therefore as minhas lágrimas (não é que tenha vivido esta história, mas há sempre algo que desperta uma memória em que também nos sentimos desta ou daquela maneira, certo?). Muito bem construída esta história, recomendo aos que não se estiverem a sentir deprimidos (que isto é de por uma pessoa de humor atravessado), original, fabuloso, espetacular!

2 comentários

Comentar post