Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Vida e Morte (Life and Death: Twilight Reimagined)

 

 

Autora: Stephenie Meyer

Edição Portuguesa: Asa

 

Sinopse

Quando Beaufort Swan se muda para a sombria cidade de Forks e conhece a misteriosa e sedutora Edythe Cullen, a sua vida dá uma volta emocionante e aterrorizadora. Com a sua pele de porcelana, olhos dourados, voz hipnotizante e dons sobrenaturais, Edythe é ao mesmo tempo irresistível e enigmática.
O que Beau não percebe é que, quanto mais se aproxima dela, mais se coloca a si mesmo, e àqueles que o rodeiam, em risco. E pode ser demasiado tarde para voltar atrás...
Para comemorar o décimo aniversário de Crepúsculo, Stephenie Meyer escreveu Vida e Morte, uma reimaginação ousada e fascinante da icónica história de amor, que irá surpreender e fascinar os leitores. Esta dupla edição especial inclui um prefácio da autora, bem como o romance original.


Opinião

Uma pessoa percebe que está a ficar velha quando começa a perceber o quão irreal é uma história. Eu comecei entuasiasmadíssima com este livro, a última vez que vi os filmes já foi a algum tempo e ler os livros nem se fala; por isso estava bastante contente por ir reviver a minha adolescência. Só que... Bem, começou um bocadinho pelo nome do protagonista, ninguém se chama Beaufort, pelo amor da santa...

 



Como disse, no inicio estava a gostar muito. Mesmo vendo aqui e ali algumas incongruências, que na altura não reparei porque esta romance era super espetacular e ninguém podia falar mal dele, fui lendo toda contente e entusiasmada.

Mas depois fui percebendo que a mudança de sexos não foi assim tão boa quanto eu pensei inicialmente; houve simsenhora momentos que estavam adaptados ao facto de o vampiro agora ser uma ela e o humano um ele, mas noutros não vi essa mudança e achei que não estava nada verosimil. Não, não sou machista nem sexista nem nada do que possam estar para aí a pensar, acho que as mulheres podem ter atitude e confiança, mas há limites. É que eu nem me estou a conseguir explicar, mas há traços de personalidade do Edward que não deveriam estar na Edythe, porque ela é uma mulher, e parecendo que não, mesmodizendo que as mulheres são iguais aos homens, os detalhes da personalidade são sempre diferentes.

Eu já sabia que o final seria diferente, mas não sabia qual seria. Honestamente, acho que esperei demais para depois ficar desapontada. O que mudou, literalmente, foram os últimos dois capítulos. Eu, não gostei. A relação deles ainda não estava bem estruturada (aliás, eu nem sei como é que eles se apaixonaram, é um insta love que eu não tinha nunca me tinha apercebido - com 15 anos que mé que se apercebe....) nem desenvolvida para ele abdicar de tudo o que abdicou de uma forma tão leviana. Achei PÉSSIMA a maneira como depois foram retratados o Charlie e a Renée, porque embora dissesse que o Beau se arrependia, não senti que de facto tal se passasse, pareceu-me que ele estava de bem com a vida. Para mim, o final foi muito apressado e uma maneira fácil de terminar esta "ideia" de gender bender.

Com isto não quero dizer que desgostei do livro, nem passei a odiar a Stephenie; é provavelmente a única autora que me faz ler as notas introdutórias e os agradecimentos e adoro a maneira como ela comunica com os fãs, mas é claro que agora, mais velha e com mais experiência e sabedoria, consigo ver que há muito em falta nesta história.

2 comentários

Comentar post