Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Cinzas (Ashes to Ashes)

 

Autora: Jennifer Armintrout

Edição Portuguesa: Gailivro

 

Sinopse

Ser vampiro é uma questão de vida ou de morte. Jennifer Armintrout apresenta-nos um novo livro: Cinzas e tal como acontece em A Iniciação e A Possessão o universo que ela criou é bem diferente de tudo aquilo a que estamos habituados. Aqui, os vampiros não podem apanhar Sol e a água benta e as estacas matam-nos. As personagens são na sua totalidade muito misteriosas com vidas anteriores cheias de sofrimento. Quando um vampiro decide iniciar um humano, é necessária uma troca de sangue e isso cria um laço de sangue entre eles. O iniciado com o sangue do seu progenitor nas veias sente-se forçado a velar e a proteger o seu progenitor. Normalmente, são criaturas belas e com poderes superiores aos dos humanos. O Devorador de Almas que é uma das personagens mais misteriosas e poderosas deste romance, decide que Nathan, seu iniciado, fique possuído pelo Mal e Cyrus, também seu iniciado, depois de ser morto por Carrie, ressuscite e se torne humano, sofrendo na pele todas as angústias a que o ser humano está sujeito... Agora o perigo iminente surge no momento em que o Oráculo é libertado, correndo o risco de transformar o mundo num antro de vampiros e transformar o Devorador de Almas num deus maligno. 


Opinião

Eu não disse que era a síndrome do segundo livro? Este foi muito melhor... Não tão bom como o primeiro, mas bem melhor que o segundo.

 

A Possessão (Possession)

 

Autora: Jennifer Armintrout

Edição Portuguesa: Gailivro

 

Sinopse

O meu pai sempre me disse que o medo é uma fraqueza. Ora, isso é fácil de dizer quando não temos de nos preocupar com caçadores de vampiros e água benta. Detesto o medo, mas a vida, ou melhor, a morte continua.Nos dois meses que passaram desde que fui atacada, na morgue do hospital, e transformada em vampiro, já matei o meu amo malévolo, Cyrus, apaixonei-me pelo meu novo amo, Nathan, e até me acostumei a beber sangue. E quando as coisas estavam a regressar ao normal - o mais normal possível quando a luz do sol nos pode matar - Nathan é possuído. E massacra um humano inocente. Agora tenho de encontrar Nathan antes que o Movimento Voluntário para a Extinção dos Vampiros o localize, porque estão apenas à espera de uma desculpa para o matar - a ele e a qualquer outro que seja suficientemente parvo para o ajudar. Mas isso não é o pior. Nathan está possuído pelo espírito de um dos vampiros mais malévolos de sempre, O Devorador De Almas. E quem pode imaginar quais serão os seus planos? Com o devorador de Almas e o meu amo possuído à solta, sinto muito medo, incluindo ser morta, outra vez.


Opinião

Demorei séculos a ler este livro. E até poderia culpar esta semi-slump no excesso de trabalho e na conclusão da licenciatura (que não é mentira, eu estive de facto muito ocupada e só me apetecia era consumir entretenimento fácil, tipo séries e dramas), mas a verdade é que logo nos primeiros capítulos vi que não ia gostar tanto deste livro como do anterior.

 

A Iniciação (The Turning)

 

Autora: Jennifer Armintrout

Edição Portuguesa: Gailivro

 

Sinopse

Eu não sou cobarde. Quero deixar isso bem claro. Mas, depois de a minha vida se trans­formar num filme de terror, passei a levar o medo muito mais a sério. Tinha-​me tor­nado na Dra. Carrie Ames apenas há oito meses, quando fui atacada na morgue do hospital por um vampiro.
Haja sorte. Por isso agora sou uma vampira e descobri que tenho um laço de sangue com o monstro que me criou. Este funciona como uma trela invisível, pelo que estou ligada a ele, inde­pendentemente daquilo que faça. E, claro, ele tinha de ser um dos vampiros mais malévolos à face da Terra. Com o meu Amo decidido a transformar-​me numa assassina sem escrúpulos e o seu maior inimigo empenhado em exterminar-​me, as coisas não podiam ser piores – só que me sinto atraída pelos dois. Beber sangue, viver como um demónio imor­tal e ser um peão entre duas facções de vampiros não é exactamente o que tinha imaginado para o meu futuro. Mas, como o meu pai costu­mava dizer, a única forma de ven cer o medo é enfrentá-​lo. E é isso que irei fazer. Com as garras de fora.


Opinião

Uau. Quando me dá a pancada vampirica, vem or muito tempo, e depois do falhanço anterior, confesso que não estava à espera de me divertir tanto. Não é novidade o meu amor por vampiros, mesmo os vampiros a sério (sim aqueles que queimam ao sol e matam as vitimas), mas nunca me tinha aventurado nesse tipo de vampiros nos livros, também não sei bem porquê. Depois de ler uma revisão ou outra, todas positivas, e de saber que a cena inicial se passa numa morgue (que é um sitio que eu estou muito habituada a ver e que não é nada de glamoroso como a tv faz passar), tive de arriscar.