Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

bookmark friday

Há quanto tempo é que não havia aqui um post com marcadores imprimiveis? A verdade é que não é das coisas mais fáceis de encontrar marcadores de jeito com alguma qualidade artistica. Então pus-me a pensar e como eu até mexo decentemente no photoshop, decidi que iria fazer uns quantos para partilhar ao mundo (se tiverem alguma sugestão ou pedido, fiquem à vontade). Portanto, durante várias sextas, vão haver marcadores para dar e vender, com os mais variadíssimos temas, sendo o principal os fandoms!

 

Hoje o conjunto inicial é de citações do queridissimo John Green (carreguem para ver em tamanho original).

 





 

 

A Culpa é das Estrelas (The Fault in Our Stars)

 

Autor: John Green

Edição Portuguesa: Edições Asa

 

Sinopse

Apesar do milagre da medicina que fez diminuir o tumor que a atacara há alguns anos, Hazel nunca tinha conhecido outra situação que não a de doente terminal, sendo o capítulo final da sua vida parte integrante do seu diagnóstico. Mas com a chegada repentina ao Grupo de Apoio dos Miúdos com Cancro de uma atraente reviravolta de seu nome Augustus Waters, a história de Hazel vê-se agora prestes a ser completamente rescrita.
PERSPICAZ, ARROJADO, IRREVERENTE E CRU, A Culpa é das Estrelas é a obra mais ambiciosa e comovente que o premiado autor John Green nos apresentou até hoje, explorando de maneira brilhante a aventura divertida, empolgante e trágica que é estar-se vivo e apaixonado.

 

Opinião

Nem acredito que ainda não tenho esta revisão feita. O John Green é de facto um dos melhores escritores contemporâneos da actualidade. Consegue, com toda a dor e tristeza que é habitual nos seus livros, que mesmo estando a chorar baba e ranho, aderemos as suas histórias dramáticas.