Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

histórias, não autores

Existe uma máxima não dita em voz alta de que um leitor ávido tem de ter um autor favorito. Só que não. É claro que no Goodreads tenho um listinha ao lado dos autores a que eles chamam favoritos, mas que para mim são apenas autores dos quais gostei muito de uma das histórias que eles conseguiram construir. E isso não significa que sejam os meus autores favoritos, são simplesmente autores das minhas histórias favoritas.

 

Mas agora vocês perguntam-me, "então mas isso não faz deles os teus autores favoritos?". E eu respondo: não. Porque não é o mesmo. Imaginemos uma pessoa que não conhecemos de lado nenhum. Se eu tiver uma conversa com ela, vou começar a gostar mais dessa pessoa, mas não a torna a instantaneamente a minha pessoa favorita, quanto muito passo a tê-la em apreciação. O mesmo se passa com livros, passo a ter esses autores em conta, mas não são meus autores preferidos. E se falarmos em séries, que têm muitos livros, é igualzinho: o facto de eu ter muitas conversas sobre o mesmo assunto com a tal pessoa só me vai fazer questionar para outros essa pessoa também me consegue entreter com a sua conversa.

 



Ler vários volumes que se passam no mesmo universo não contribui em nada para que se reconheça uma pessoa pela sua criatividade e imaginação na construção de ficção, e sim apenas no desenvolver dos vários enredos de um universo fictício em particular.

Atenção, eu não estou a criticar quem acha que tem um autor favorito, até pode ter, simplesmente para mim essa designação não é aplicável à vida de leitor. Eu não tenho autor preferido (apenas um entusiasmo muito grande pelos livros da Rainbow Rowell, mas como ainda não li os livros todos que ela escreveu, não posso dar o meu parecer) e honestamente, não acho que num futuro próximo o tenha. Por muito talentoso que um escritor seja, nunca irá conceber uma colectânea de histórias que consigam ser todos os livros favoritos de alguém. Podem ser história muitos boas, que nos entretenham muito e que sejam autores de quem gostamos, mas favoritos nunca, porque todas nossas histórias favoritas não são escritas exclusivamente por aquela pessoa (em principio).

Tal como um só livro que me arrebate o coração não torna o autor o meu favorito, um autor que crie muitas histórias que eu goste (e que não sejam todas membros da minha prateleira de preferidos) também não o é; fica sempre mais fácil de entender quando dizemos "esta é a minha história favorita, escrita pelo autor X". São as histórias que nos arrebatam, que nos fazem rir, chorar, sentir. Se um autor conseguir isso mais que uma vez, melhor, mas não o torna exclusivo das nossas emoções, e por isso nunca será o predilecto, haverá sempre mais algum a conseguir escrever a próxima história que nos irá fazer apaixonar mais uma vez por um mundo fictício.