Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Gone Girl - filme

Quando eu vi este trailer pela primeira vez, não dei nada por isto. Achei que era mais um clichézinho de alguém que se quer aventurar no género do mistério criminal, especialmente com a músiquinha de fundo e a ideia que passam no filme de que é o marido da moça que a mata. Como eu estava errada... (apreciação do trailer aqui)

 

 



Esta história... Eu já tinha decidido que não ia ler o livro, mas depois disto... Ninguém, eu repito, ninguém (que não tenha lido o livro e não tenha sido spoilado entretanto) imagina a loucura que vai neste filme. É de doidos. Vou tentar fazer a revisão sem spoilers, mas não prometo nada, porque eu estou tão transtornada e ao mesmo tempo estupefactamente maravilhada que tenho de partilhar com alguém.

Um dos pontos fortes que eu me deparei logo nos créditos iniciais do filme é que o screenplay do filme foi escrito pela autora do livro, o que é um bónus, uma vez que é a própria pessoa que idealizou a história a transpô-la para um diálogo. Outro aspecto que torna esta história tão magnifica é que até ao último minuto do filme, atrevo-me a dizer até segundo, ninguém sabe como vai ser o final (e aproveito para vos dizer já que é um final aberto, não é nada conclusivo). Este é, para mim, o ponto fulcral deste filme: tratando-se de um mistério, achei fantástico o facto de nada ser previsível, porque uma história que é previsível não prende a atenção de ninguém.

A história começa de uma forma bastante tradicional para este género de 'desaparecimentos'. Gostei bastante do facto de existirem flashbacks entre o presente e o passado, para que pudéssemos conhecer e julgar as personagens por um todo e não apenas pelo momento em que estamos a assistir ao decorrer da história. Foram muito úteis, estes flashbacks, em parte para compreender ambos os elementos do casal (no inicio mais o Nick, que chegou a uma altura em que eu de facto pensei que ele fosse mesmo o culpado pelo desaparecimento da rapariga) e os porquês das suas acções.

E depois, dá-se o maior plot twist que eu me lembro de alguma vez ter assistido em histórias do género. Não é que seja uma novidade muito estrondoso, mas é algo que eu não estava nada à espera. Esta história contada em dois POV's, no inicio o do Nick, e depois o da Amy (e depois começam-se a entrelaçar), é quando começa o POV da Amy que se dá a descoberta que influencia o resto da história.

Mais não digo, porque estou a tentar controlar-me ao máximo para não contar mais nada que vos possa spoilar, só vos posso dizer que esta história é tão WOW que me fez ler um livro que eu já tinha posto de parte (porque pensei, vou ver o filme), porque eu tenho de saber todos os pormenores desta história. Como vi no wareztuga, pude voltar atrás as vezes que forem necessárias para compreender melhor os aspectos do enredo, e acreditam, foram várias as vezes que o fiz, principalmente a partir do twist. Vejam. VEJAM! (ou leiam)

3 comentários

Comentar post