Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Fevereiro: Filmes, Dramas e Séries

Fevereiro, ainda que com mais um dia do que na maioria dos anos, não foi me deu um grande avanço em termos de entretenimento visual americano. A maioria das séries em hiatus voltou, e para meu agrado Grey's Anatomy está melhor que nunca. Na verdade estou só a realçar esta série porque apesar de gostar imenso e de já acompanhar desde os seus primórdios, às vezes parece que "empalidece" em relação às outra séries que vejo, mas de um momento para o outro dão-se daquelas reviravoltas meio WTF e fico totalmente obcecada novamente.

 

Neste mês consegui ver um filme, nem sei como, mas consegui. Já há uns tempos que me tenho afastado dos filmes, mas num dos terríveis dias de chuva que teve o mês passado decidi que ia ver o Kill Bill e vi, sempre ouvi imensas coisas boas e ainda não tinha visto. De um modo geral, não posso dizer que não gostei do filme, porque não foi mau, mas esperava uma coisa diferente. Gostei da banda sonora e da fotografia, mas a história é um bocadinho "agressiva" demais para o meu gosto e as explicações não são totalmente dadas. O final deixou-me em bicos dos pés com aquele cliff-hanger e apesar de não ser para já, tenho de ver o Kill Bill Vol. 2 para saber tudo.

 

Agora é a altura em que as pessoas que não são fãs de asianices podem sair.

 

Em termos de dramas, comecei e acabei I Am Sam e descobri o quão tansa eu sou. Eu comecei a ver este drama pelas razões que já são mais que óbvias *T.O.P* mas também pelo Lee Min Ho, que honestamente pensei que tivesse um papel mais proeminente, o que é que poderia correr mal? Bem na verdade, logo de inicio achei o personagem principal extremamente familiar, mas não sabia da onde, e como ela era tão pãozinho sem sal, passou-me. Depois, e por outros motivos complemente alheios, fui-me por a ver episódios do Show Me The Money 3, e heis que se fez luz na minha cabeça: o homem que eu achava tão otário (que é claro que era parte da personagem, mas enfim) era um dos produtores todos HPTO do K-Hip-Hop que já tinha aparecido no Unpretty Rapstar e QUE EU TENHO UMA MÚSICA PRODUZIDA PELO HOMEM COM ELE NA CAPA DO SINGLE WTF COMO EU QUE EU NÃO VI LOGO???!?!??!! Anyway, o drama não foi mau, dá-se umas gargalhadas e tem aquela vibe do inicio dos anos 2000 que, pelo menos a mim, traz sempre muita nostalgia, mas não é nada de extraordinário.

Se o mês foi mau em termos americanos, em termos coreanos foi uma alegria. Depois de acabar o I Am Sam, comecei não um mas dois dramas. Sim, dois. O Madame Antoine nem sequer estava nos meus planos, eu nem sequer sabia da sua existência, mas vi o anúncio no Viki e depois de reconhecer os personagens (a Han Ye Seul é a namorada do Teddy, que é produtor dos BIGBANG não me julguem, a minha vida está a ser dominada pelos BIGBANG e eu estou só a assistir na primeira fila e o Sung Joon fez o High Society que eu comecei e depois abandonei, porque nem ele salvava aquilo) lá me aventurei e estou bastante surpreendida, porque estou a adorar; não sou uma pessoa que goste especialmente de psicologia ou linguagem corporal, mas ver qual dos dois titãs ganha este jogo está-me a saber muito bem, e os casos de cada episódio também são interessates. Embora acabe já para a semana e ainda nem tudo esteja resolvido, estou bastante satisfeita com a prestação até agora, tanto das personagens principais como das secundárias.


E num rasgo de... bem nem sei se é idiotice ou coragem, comecei o Temptation of Wife. Este drama é falado imensas vezes em variety shows antigos e toda a gente conhece ou já ouviu falar dele. E vocês perguntam-se, mas o que é que me deu para começar um drama de 129 episódios? Também gostava de saber, sinceramente. É que o que não faltam para aí são histórias de vingança. Até agora está a ser muito bom, melhor do que eu estava à espera. Vi alguns comentários a dizer que podia saltar uma batelada de episódios e ir logo para a vingança, mas num acesso de teimosia, mantive-me fiel e vi os episódios todos até chegar ao episódio em que começa a mudar a história (lá para o 35, mais ou menos), porque era da opinião que se esperasse lentamente e fosse assistindo gradualmente, a minha sede de vingança iria ser maior e iria ficar com uma sensação de realização muito maior quando chegasse a altura de ajustar contas, e tinha toda a razão: apesar de serem tantos episódios, cada um tem só 30 minutos (que é metade do tempo do que se fosse um drama normal) e por incrível que pareça a história não se arrasta (embora haja momentos que a mim não me interessam e outros que embora pareçam não fazer falta, fazem mais à frente). Neste momento ainda só vou no episódio 60 (é tão estranho dizer isto, SÓ no 60) ou seja nem a meio, e já as coisas estão a ficar super calientes, estou mortinha para ver o que é que isto vai dar.

2 comentários

Comentar post