Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Dreams of Gods and Monsters

 

Autora: Laini Taylor

Sem Lançamento em Portugal aquando da Revisão

Status: Abandonado

 

 

Sinopse

By way of a staggering deception, Karou has taken control of the chimaera rebellion and is intent on steering its course away from dead-end vengeance. The future rests on her, if there can even be a future for the chimaera in war-ravaged Eretz. Common enemy, common cause. When Jael's brutal seraph army trespasses into the human world, the unthinkable becomes essential, and Karou and Akiva must ally their enemy armies against the threat. It is a twisted version of their long-ago dream, and they begin to hope that it might forge a way forward for their people. And, perhaps, for themselves. Toward a new way of living, and maybe even love. But there are bigger threats than Jael in the offing. A vicious queen is hunting Akiva, and, in the skies of Eretz ... something is happening. Massive stains are spreading like bruises from horizon to horizon; the great winged stormhunters are gathering as if summoned, ceaselessly circling, and a deep sense of wrong pervades the world. What power can bruise the sky? From the streets of Rome to the caves of the Kirin and beyond, humans, chimaera and seraphim will fight, strive, love, and die in an epic theater that transcends good and evil, right and wrong, friend and enemy. At the very barriers of space and time, what do gods and monsters dream of? And does anything else matter?

 

Opinião

Hoje é um dia triste para o meu histórico de leitura. Por mais que quisesse, já não consegui continuar esta trilogia, de quem tanta gente fala tão bem. Estava á espera e algo completamente diferente e se soubesse na altura o que sei hoje, não me tinha aventurado.

 



Já desde o segundo livro que a minha opinião à cerca desta história tinha mudado. Agora vejo que a ideia com que eu vinha para esta série era algo bastante semelhante à fantasia urbana do The Mortal Instruments e deve ser por isso que gostei tanto do primeiro livro e não dos restantes. Não foi a escrita da autora, que apesar de não achar tão maravilhosa como muitas pessoas acham, não é despropositada e nota-se uma aptidão para tal, sem diálogos ou frases fora do contexto e sem lógica. Não foram os chimera, por quem demorei tanto a assimilar e interiorizar, nesta momento já estava bastante confortável nesse universo. Foi a lentidão com que se está a desenvolver esta guerra que parece nunca ter inicio e, se já demorou o Days of Blood and Starlight sem começar, não sei quanto mais tempo conseguiria aguentar neste impasse.

Desisti ao capítulo 7, mas para mim bastou para perceber que a história não vai acelerar e que vai demorar imenso tempo até que a Karou e o Akiva fiquei finalmente menos mal. Ao contrário do livro que culpei sem razão pela ressaca literária (City of Heavely Fire) que me estava a impedir de ler esta final de série, os capítulos são curtinhos, por isso mesmo que lesse quatro ou cinco capítulos por dia, sempre ia adiantando, cada capítulo que em coisa de 10 minutos se lê. Nos primeiros dias acredito que de facto tenha sido COHF a impedir-me de continuar noutra história, mas agora já não digo que seja isso. Já me sentia assim no final do livro anterior, fartinha, e de cada vez que pensava que tinha o livro para ler, evitava ao máximo. Só mostra o quão para lá disto já estou e o quão desinteressada me encontro.

Por mais de uma vez já referi que não gosto de leitura bélica e que tenha muitos pormenores de guerra e estratégia militar, e ultimamente é só o que tenho lido, é a preparação para uma guerra entre chimera e anjos (cuja versão que a autora escolheu não gosto nada) e a guerra interna dos últimos, e já são mais as páginas que ando para a frente que aquelas que leio. Dois dos meus personagens favoritos já estão mortos, o Akiva não me apela especialmente (e fora de brincadeiras, para mim os personagens principais são sempre muito importantes para gostar de uma história), a Karou já teve mais a minha atenção e só o Mik e a Zuzana já não chegam para me aguentar aqui.

Acredito que a minha opinião seja bastante isolada, porque para quem tem paciência e gosta de coisas demoradas, esta série é fantástica. Tenho a experiência de que podem existir história com mais velocidade e fluidez e que não são necessariamente irreais e sem explicação, têm a dose e medida que gosto.

Não foram portanto a estupidez e descrepância de uma possível realidade que a história poderia ter, como foi o caso do Lux e do Fallen, mas sim um rumo que a narrativa tomou e que eu não gosto e não foi pelo qual comecei a ler. Poderá ser bom para outras pessoas, e por isso não estou a 'cortar na casaca', para mim não serviu, talvez sirva para outros.