Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Balanço Literário 2015 - Favoritos e Desilusões

Mais uma vez, e à semelhança do ano passado, estou ligeiramente desapontada. Acho mesmo que nada vai superar 2013 em termos de leituras. Mas para já não vou falar dos desafios e objectivos a que me propus, vou deixar isso para o próximo post, onde também vou abordar outros assuntos relacionados com a revisão geral do ano.

 

Para já, vou sim eleger os Oscars e os Razzies dos poucos livros que foram lidos pela minha pessoa este ano. Relembro apenas que, obviamente, o livro que estou a ler já não conta, uma vez que já não o vou terminar este ano. As categorias foram obviamente inventadas por mim, para conseguir falar de tudo o que se passou durante este ano. Então vamos lá.

 

Melhor Trilogia/Série - Apesar de não ter completado muitas neste ano, só poderia ir para a trilogia The Bronze Horseman, da Paullina Simmons, que me fez rir, chorar - muito, diga-se de passagem -, quase ter um ataque cardíaco e me fez ter uma ressaca monumental no dia em que acabei (revisões: The Bronze HorsemanTatiana & Alexander e The Summer Garden)

 

Melhores Surpresas - Eu disse que estava desiludida com este ano, mas agora que vejo bem, até tive umas surpresas agradáveis: achei que Colleen Hoover era super overhyped e adorei o Ugly Love, tal como a Sophie Kinsella, com quem não tinha tido a melhor das experiências anteriormente, e que me fez amar o The Undomestic Goddess (revisões: Ugly Love e The Undomestic Goddess)

 

Melhor Começo de Trilogia/Série - Mais um categoria que tem um escolhido indubitável: o The Raven, do Sylvain Raynard, foi de facto um excelente começo para a história (revisão aqui)

 

 


 

Pior Trilogia/Série - Vou apenas considerar as completas, até porque não há outras (as que desisti, desisti simplesmente logo nos primeiros) e, embora até tenha gostado da série em si, achei que ficou mito àquem daquilo que eu tinha imaginado e do seu potencial. Por isso vou escolher a Blood Ties, que começou de uma forma excelente e depois foi perdendo muitas qualidades (revisões: The Turning, Possession, Ashes to Ashes e All Souls Night)

 

Piores Desilusões - Ugh.. O melhor mesmo é lerem as revisões do Infinite Days e do Kaleidoscope Hearts, porque não há muito para dizer para além daquilo que eu já escrevi. Ressalvo que apesar de ter abandonado o Crown of Midnight, considero-me mais desiludida comigo mesmo do que propriamente com a história em si (foi um bom abre olhos para mim, para a próximo já sei que não posso por-me nos tags do tumblr nem nas wikias, senão estrago sempre a minha experiência quando me spoilo)

 

Pior Final de Trilogia/Série - Cada vez mais me convenço que foi uma má ideia ler o Bloodlines. Tinha tantas esperanças e depois... meh, a história não foi nada de especial e o final nada de especial foi (revisão: The Ruby Circle).

 

E pronto, foi isto. É claro que houve livros que não mencionei aqui, mas também não o poderia fazer, porque isto não é para falar de todos os livros que li ao longo do ano.

 

2 comentários

Comentar post