Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Attachments

 

Autor: Rainbow Rowell

Sem Lançamento em Portugal aquando da Revisão

 

Sinopse

"Hi, I'm the guy who reads your e-mail, and also, I love you . . . "
Beth Fremont and Jennifer Scribner-Snyder know that somebody is monitoring their work e-mail. (Everybody in the newsroom knows. It's company policy.) But they can't quite bring themselves to take it seriously. They go on sending each other endless and endlessly hilarious e-mails, discussing every aspect of their personal lives.
Meanwhile, Lincoln O'Neill can't believe this is his job now- reading other people's e-mail. When he applied to be "internet security officer," he pictured himself building firewalls and crushing hackers- not writing up a report every time a sports reporter forwards a dirty joke.
When Lincoln comes across Beth's and Jennifer's messages, he knows he should turn them in. But he can't help being entertained-and captivated-by their stories.
By the time Lincoln realizes he's falling for Beth, it's way too late to introduce himself.
What would he say . . . ?

 

Opinião

Oh... eu já estava a desesperar por ainda só ter lido este ano um livro que me enchesse de sentimentos. Até pensei que fosse um problema meu. É bastante curioso por a menos de 5 capítulos depois de começar a ler, já estar a chorar. Poderia ser um sinal, mas não o interpretei como tal. Oh que alegria! Estou tão feliz e derretida que nem vos consigo transmitir a minha opinião como deve ser.

 




Posso não estar 100% certa, mas acho que nunca me tinha identificado com um personagem masculino da maneira como me identifiquei com o Lincoln (só este nome é que me dá náuseas). Nunca é fácil admitirmos o quão... estranha e disfuncional é a nossa vida, e ver que não somos os únicos, mesmo sendo os outros personagens fictícios, conforta sempre um pouquinho.

Fui notando que, ao longo do tempo, que estava a ler um livro de coração e não de cabeça. Senti que me preocupava com as pessoas, como se elas existissem mesmo. E apesar de não ser um livro com um passo muito rápido (apesar dos capítulos o serem), fui andando ao sabor das novidades. Adorei a vidas das grandes 3 personagens principais, mas das consideradas secundárias também. Talvez tenha sido das coisas que mais gostei, mas o facto de no inicio ser tudo tão aleatório e estranho tornou tudo melhor. Fui reparando não percebia a maioria das referências que eram feitas, mas não me importei. Sinto que é esta estranheza que me fez ligar tanto às personagens, porque mesmo sendo diferentes de mim e tendo as suas piadas privadas e particularidades, consegui rever-me nelas em situações psicológicas muito idênticas. Não é que elas sejam assim tão estranhas, é o facto de estarem tão bem construídas; nem todos somos iguais, mas todos tempos as nossas coisinhas pessoais e as piadas entre amigos que mais ninguém conhece.

Já tinha lido a sinopse à muito tempo, e por isso já não me lembrava de nada, não sabia que personagens é que iam constituir a relação amorosa. Entretive-me imenso com os delírios de gravidez indesejada da Jennifer, e derreti-me toda quando ela admitiu que tinha entrado na loja de roupinha de bebés, sem estar grávida, e comprar um casaquinho. Estava a torcer para que ela engravidasse. Fiquei tão feliz com o final dela (embora aquela situação infeliz). Adorei a história de como a Beth se apaixonou pelo Chris, consegui sentir toda a adrenalina que ela sentiu quando viu pela primeira vez aquele rapazito que lhe deu pensamentos impuros. Tive muita pena quando ela se queixava que a relação dela já não estava bem. Revi-me tantas vezes no Lincoln que já chateava, e amei a relação dele com a irmã, com a mãe, com a Doris, com os seus amiguitos do Dungeons & Dragons e com a vida em geral.

 

Estou muito contente por ter gostado da autora, porque vi muitos fãs dos seus livros e estava expectante. Não é um livro que eu recomendasse a todos, é uma leitura para quem está mais em baixo e precisa de arrebitar um bocadinho. O romance não é muito explorado, acontece um bocadinho de repente, mas é essa a mais valia desta história: é o de repente, o não planeado, que torna a nossa vida diferente e melhor. Um romance muito fofinho, com citações que nos põe a reflectir e de chorar quando se acaba.