Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

A Viela da Duquesa (Vicolo della Duchesca)

 

Autora: Sveva Casati Modignani

Edição Portuguesa: Porto Editora

 

Sinopse

Nápoles, 1910. Numa das muitas casas pobres da Viela da Duquesa, onde Rosa Avigliano vive com a sua numerosa família, surge de repente uma jovem mulher elegantemente vestida: ela quer que Rosa lhe prepare um feitiço para conquistar o amor do marido. Teresa, a mais velha das crianças Avigliano, fica boquiaberta perante tão extraordinária aparição. Imaginativa e sonhadora, ela gostaria de poder transpor os limites daquelas vielas sem ar e sem luz, onde viu morrer de miséria, de doença e de fome amigos, vizinhos e até um irmão mais novo. Aquela visitante misteriosa encarna aos seus olhos de rapariga tudo aquilo que até ali lhe foi vedado. Mas a bonita desconhecida não é tão feliz como Teresa imagina: a condessa Josepha Paravicini abandonara há alguns meses o seu castelo no Tirol, terra então austríaca, para casar com o príncipe Enrico Castiglia e se mudar para Nápoles, renunciando aos costumes, às pessoas que amava, às paisagens, aos aromas e à sua língua de infância. Tudo isto para vir a descobrir que o marido nunca a amara. Com o destino por cúmplice, nasce entre a princesa e a rapariga do povo uma ligação que as irá manter unidas durante toda a vida. Ambas atravessam o século que há pouco terminou, sofrem duas guerras mundiais, vivem os dramas da ditadura fascista e os tempos difíceis da reconstrução, empenhando-se na luta pelas reivindicações sociais e pela conquista do direito das mulheres à dignidade.

Opinião

Epá, que sinopse enorme. Quase que me conta a história do livro toda. Lá terei de fazer a revisão toda do outro lado.

 



É assim, eu não desgostei totalmente, mas foram também não adorei (daí as duas estrelas). A história segue dois enredos, o da Teresella e o da Josefa, e para mim o que foi salvando o livro, foi o da última.

A discrepância entre as duas histórias é muito grande, independentemente de uma ser rica e outra pobre. A vida da Teresella dava um filme... daqueles de terror, quase! É desgraça atrás de desgraça atrás de desgraça, e chega a uma altura que acaba por enjoar tanta infelicidade. Sim, há vidas que são menos felizes que outras, e normalmente as dos pobres não são tão maravilhosas como as dos ricos, e a da Teresella teve um ou outro rasgo de alegria, mas... Não sei, não achei muito justo. E se há coisa que eu gosto nos livros é justiça, e depois das coisas que ela passou no inicio da vida... Devia ter tido um final mais feliz (com o Benedetto, não com o outro senhor que também era bom, mas que eu não gostava tanto).

A história da Josefa... Essa sim, agradou-me bastante. Um começo atribulado, num casamento infeliz e depois do momento para o outro a sua vida dá uma volta e conhece o militar Lorenzo! Adorei o romance entre eles, mesmo quando se zangavam. Muito amorosa a dinâmica entre eles e a forma como encararam os problemas que lhes se atravessaram no caminho. Por mim, a história tinha sido só a vida da Josefa e tinha ganho cinco estrelas.

Gostei bastante do estilo da autora, da escrita... Achei que as descrições eram muito interessantes e o enredo estava bem pensado, mas como já disse anteriormente, a discrepância de injustiças foi o que me manchou a experiência neste livro. Ainda assim, é um romance histórico com um ponto de vista diferente da Segunda Guerra Mundial, o que é sempre bom, e que deve ser avaliado apenas pelo leitor.