Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

A Redenção de Gabriel (Gabriel's Redemption)

 

Autora: Sylvain Reynard

Edição Portuguesa: Saída de Emergência

 

Sinopse

O professor Gabriel Emerson abandonou o seu cargo na Universidade de Toronto e está prestes a iniciar uma nova vida com a sua amada Julianne. Está confiante de que ambos poderão enfrentar qualquer desafio. E está desejoso de se tornar pai. Mas a licenciatura de Julianne ameaça os planos de Gabriel que a vê subjugada pelas pressões de estudante. Quando é concedida a Julianne a honra de fazer uma apresentação académica em Oxford, começam a formar-se nuvens negras sobre o casal. E em Oxford, um velho inimigo está disposto a tudo para humilhar Julia e expor um dos segredos mais negros de Gabriel. Numa tentativa de confrontar os seus últimos demónios, Gabriel procura descobrir mais sobre as suas origens, iniciando uma série de eventos que terão um enorme impacto em si, em Julianne e na sua esperança de formar uma família. Conseguirá ele redimir-se do passado e obter a paz e felicidade que tanto deseja?

 

Opinião

Ugg Nããããoooo. Já acabou (ou se calhar não, vejam aqui). Infelizmente, demorei imenso tempo a ler este último livro, porque esta vida de estudante está a dar cabo de mim. O lado bom da coisa é que pude esticar o mais possível desta maravilhosa aventura com o Gabriel.

 




Ainda sou da opinião que o meu favorito foi o primeiro livro desta trilogia. Ainda assim, não posso deixar de concordar que, apesar de os outros dois não terem sido tão fantásticos como o primeiro, foi sem dúvida alguma muito agradável participar nesta viagem com o casalinho Emerson.

Lembro-me que nos primeiros capítulos achei super estranha a escrita, pois contrariava toda a estrutura que o autor tinha elaborado anteriormente, com POVs de várias personagens sem ser o Gabriel e a Julia. Custou-me na adaptação a esta nova estratégia de escrita, mas lá me habituei.

Não vos vou spoilar, até porque é muito fácil spoilar este livro para quem ainda não o leu só a dizer uma coisinha de nada. O livro não tem grande história complementar à já contada, é sim, na maior parte das vezes, uma simples continuação com pormenores triviais (é uma opinião pessoal); acontece umas coisas aqui e ali, mas para 80 e tal capítulos, achei que lá pelo meio existia muita palha (eu até gostei de ler, porque adoro esta história, mas não deixa de ser verdade). 

Quanto ao Gabriel e à Julianne não vou dizer nada, tem graça é descobrir o final deles, vou apenas adiantar que existiram partes em que a mulher já me irritava com tanto 'amor' aos estudos e em não querer deixá-los para trás (o porquê não digo :P), quando facilmente existia a opção que depois acabou por aceitar. Vou sim falar dos finais de outras personagens pelas quais me apaixonei nesta maravilhosa obra de literatura: apesar de não gostar especialmente do Paul, e de ele nunca ter tido a mínima hipótese na minha ship com a Julianne, quis desde o inicio que ele e a Allison voltassem a ficar juntos; apaixonei-me pela história entre eles (que tens pouco desenvolvimento, para minha infelicidade) e estava a desejar fervorosamente que caíssem neles próprios e percebessem o quanto felizes ainda podiam ser. Escusado será dizer que fiquei felicíssima quando se beijaram novamente. Outra história, que desta vez me fez ter sentimentos mistos: O Simon e a April. Eu odeio o Simon, odeiei a pessoa que ele é (ou não fosse o que ele fez do mais nojento possível), mas no decorrer deste livro, vi-me a querer que ele e a April dessem certo. Por um lado, sentia-me completamente revoltada pelo facto dele ter começado a sair com ele em favor da campanha política do pai, ainda para mais sendo a rapariga tão inocente, mas quando o narrador omnipresente confirmou que ele de facto nutria sentimentos pela rapariga, quis mesmo que eles tivessem o seu final feliz (e apercebi-me que, no que toca a ficção, gosto que quase todos tenham um final feliz). No entanto, percebo que ele tinha de pagar pelo que fez, e aceito o seu final. O contrário se passa com a Natalie, que gostava que ela tivesse sofrido um pouquinho mais. A Crista Petterson (não sei se estou a escrever bem o nome dela), não me aquece nem me arrefece (se bem que o meu coração tremeu por ela num dado momento). O que era também meu desejo é que o Aron e a Rachel conseguissem engravidar, mas a vida é injusta e é a realidade e verosimilhança que o autor transpôs para os seus livros que me fez gostar tanto deles.

Sei que me estou a repetir nas palavras, mas de facto não me ocorrem outras para vos explicar o quão maravilhosa, fantástica, magnifica é esta trilogia. Há muito tempo que não me apaixonava pela escrita tanto ou mais do que pela história. NÃO É ROMANCE ERÓTICO, pelo menos eu não o considero como tal. Tem cenas eróticas, sim, mas não chegam para categorizá-lo como 'romance erótico'. Aprendi imensa coisa com esta história, expandi imensos horizontes culturais, senti imensos sentimentos... 5 Estrelas! RECOMENDO A TODOS.

2 comentários

Comentar post