Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Requiem

 

Autora: Lauren Oliver

Sem Lançamento em Portugal aquando da Revisão

 

 

Sinopse

They have tried to squeeze us out, to stamp us into the past. But we are still here. And there are more of us every day. Now an active member of the resistance, Lena has been transformed. The nascent rebellion that was under way in Pandemonium has ignited into an all-out revolution in Requiem, and Lena is at the center of the fight. After rescuing Julian from a death sentence, Lena and her friends fled to the Wilds. But the Wilds are no longer a safe haven—pockets of rebellion have opened throughout the country, and the government cannot deny the existence of Invalids. Regulators now infiltrate the borderlands to stamp out the rebels, and as Lena navigates the increasingly dangerous terrain, her best friend, Hana, lives a safe, loveless life in Portland as the fiancée of the young mayor. Maybe we are driven crazy by our feelings. Maybe love is a disease, and we would be better off without it. But we have chosen a different road. And in the end, that is the point of escaping the cure: We are free to choose. We are even free to choose the wrong thing. Requiem is told from both Lena’s and Hana’s points of view. The two girls live side by side in a world that divides them until, at last, their stories converge.

 

Opinião

Honestamente esou dividida. Não sei se gostei ou não deste livro. Nem sequer percebi se é o final ou se a Lauren vai escrever mais. Demorei tanto, mas tanto tempo a ler este terceiro volume que já nem sei explicar porquê. Quando estava em aulas conseguia ler um livro de 300/400 páginas em semana e meia; assim que comecei exames e já só tinha de ir á faculdade de quando em vez, passavam-se dias sem ler (ou então lia um capítulo por dia).

 




Acho que posso comparar o meu entusiasmo neste livro ao de quando estava a ler o Mockingjay. É quase inevitável pensar em guerra quando se lêem distopias e mais tarde ou mais cedo acabam por acontecer. E apesar de 'distopia' ser dos meus sub géneros favoritos, a realidade é que quando começam os planeamentos de revolução e confrontos, o meu cérebro adormece.

 

Quem faz este tipo de sinopses devia levar uma pancada na cabeça: ler isto ou não ler nada, ficasse sabendo o mesmo do que acontece na história.

 

Mais uma vez a lauren escolheu escrever capítulos com POV's alternados, o que me deixou um pouco frustrada no ínicio, porque depois do final surpreendentemente inacreditável do Pandemonium, só o ponto de vista da Lena é que interessava (quero lá saber do da Hana).

Claro que queria saber o que se ia passar com ambas as personagens, mas a autora escolheu focar-se mais nas dificuldades que os Inválidos passavam do que propriamente em resolver a situação da Lena e do seu triângulo amoroso.

 

Devo dizer que estou devastada. também fiquei assim depois do Before I fall (da mesma autora), mas nesta série esperava que algo diferente acontecesse. Não queria spoilar-vos em demasia, mas se calhar é isso que vai acontecer...

 

Pareceu-me um final tão vazio... Mas pela orgânica do texto dá a sensação que é de facto a conclusão da história. E o meu problema é que muitas coisas ficaram por resolver ou revelar: será que o Fred morreu na explosão lá da mansão ou será que 'vaso ruim não parte'? o que é que aconteceu à família da Lena para deixar a Grace para trás - será que eram assim tão mesquinhos? será que os Inválidos conseguiram tomar conta de Portland e daquela gentinha toda?

 

E aquele triângulo amoroso? Tudo bem que se soube quem é que a Lena escolheu, mas depois de se beijarem foi 'ai tal eu depois encontro-te' e fiquei sem saber se sempre ficam juntos ou se foi só uma epifania antes de morrerem. E O OUTRO MEMBRO DO TRIÂNGULO???? (viram, ainda não disse nomes xD) O QUE É QUE LHE ACONTECEU, FICOU BEM, FICOU MAL, VIVEU, MORREU...?

 

Por fim deixo-vos com as citações finais (eu aidna acredito que isto não é o final...), que apesar de relacionadas com toda a história fazem uma conclusão muito repentina, mas que fora do contexto são frases magníficas...

 

Take down the walls.
That is, after all, the whole point. You do not know what will happen if you take down the walls; you cannot see through to the other side, don’t know whether it will bring freedom or ruin, resolution or chaos. It might be paradise or destruction.
Take down the walls.
Otherwise you must live closely, in fear, building barricades against the unknown, saying prayers against the darkness, speaking verse of terror and tightness.
Otherwise you may never know hell; but you will not find heaven, either. You will not know fresh air and flying.
All of you, wherever you are: in your spiny cities, or your one-bump towns. Find it, the hard stuff, the links of metal and chink, the fragments of stone filling your stomach. And pull, and pull, and pull.
I will make a pact with you: I will do it if you will do it, always and forever.
Take down the walls.

2 comentários

Comentar post