Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Beijo Gelado (Frostbite)

 

 

Autora: Richelle Mead

Edição Portuguesa: Contraponto

 

Sinopse:

Rose gosta de Dimitri, Dimitri gosta de Tasha, e Mason está mortinho por sair com Rose. Começaram as férias de Natal, mas Rose não se sente nada festiva. Um ataque Strigoi à Academia de São Vladimir colocou a escola em alerta máximo e trouxe um batalhão de Guardiões - incluindo a exigente mãe de Rose, Janine Hathaway. Como se um combate corpo a corpo com a mãe não fosse mau o suficiente, o tutor de Rose está de olho noutra mulher, Mason apaixonou-se por ela, que ainda por cima não consegue sair (literalmente) da cabeça de Lissa enquanto esta está aos beijos com o namorado, Christian! Os Strigoi estão a aproximar-se e a Academia não quer correr qualquer risco... Este ano a viagem anual de ski é obrigatória. Mas a resplandecente paisagem de Inverno e a fina estação de neve de Idaho só alimentam a ilusão de segurança. Quando três amigos fogem numa ofensiva contra os fatais Strigoi, Rose terá de se aliar a Christian para os salvar. Mas o heroísmo raramente vem sem um preço...

 

Opinião:

Começo a duvidar seriamente das aptidões tradutivas desta gente. Então 'frostbite' é traduzido para 'beijo gelado'??? Ok, então...

 




Desta vez a história começa com uma Rose menos irritante do que no primeiro volume. Aliás, por momentos pensei que estava a ler um livro completamente diferente. Achei completamente desnecessário o prologo inicial a explicar tudo o que aconteceu anteriormente tim tim por tim tim.

 

O quotidianos adolescente vampírico continua com a Rose a fazer a sua prova de... Honestamente não sei o nome daquilo, mas serve para passar e finalmente ser guardiã de Morois. Ela toda contente porque vai ficar 5 horas fechadinho num carro com o Dimitri para chegar ao local, e depois a felicidade desvanece-se toda quando o suposto avaliador e a família estão todos estrilhaçados numa poça enorme de sangue, com entranhas e peças anatómicas á mistura. Para pré-guardiões, pensei que fossem mais bem treinados, mas pelos vistos não, porque a Rose, tão destemida e badass (e teimosa! o Dimitri a dizer-lhe para ela não entrar e ela vai na mesma -.-) ficou muito impressionada com aquilo tudo.

 

A partir daqui começa então a nova 'luta' contra os mauzões, que é a maioria do que fala este livro.

Das coisas que mais me impressionaram foi o facto da mãe da Rose ser realmente fria e desligada de sentimentos para com a filha. O diálogo entre as duas, o murro na cara... e nem venham dizer que não foi de propósito, porque foi!

 

Tenho de dar o braço a torcer, a Richelle fez um óptimo trabalho em criar a 'ligação' entre a Rose e a Lissa, caso contrário era completamente impossível assistir aos momentos românticos entre a Lissa e o Christian ^^ (adoro estes dois)

 

Não achei piada ao flirt da Rose com o Mason. Estava mesmo a ver-se que a terapia de substituição ia acabar mal (e o Mason não partir a espinha lá na estância de ski foi uma sorte...). Também continuo sem perceber a dreamyness do Adrian; ok tem bom gosto em perfumes (mandou o meu perfume - Eternity - à Rose), mas além disso só o acho extremamente convencido.

 

Mais uma vez as melhores partes chegaram no final, com a lentidão da perspicaz Rose em perceber que tinham de usar magia para sair dali... Quero só acrescentar que se supostamente esta série tem romance, não parece nada. A Rose e o Dimitri beijaram-se e tal, mas não existe desenvolvimento emocional nenhum. E a Tasha supostamente era para ser elemento do triângulo amoroso?? Não percebi, só vi a Rose super ciumenta a agir tal e qual como o Dimka a descrevia, uma criança.

 

Pelo que li, os dois primeiros livros é que são mais desinteressantes e espero bem ficar coladinha às páginas nos volumes que aí vêem.