Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Um Desastre Maravilhoso (Beautiful Disaster)

 

 

Autora: Jamie McGuire

Edição Portuguesa: Planeta Editora

 

Sinopse:

A Boa Rapariga: Abby Abernathy não bebe, não pragueja e trabalha muito. Está enterrada no nefasto passado, mas, quando entra no colégio, os seus sonhos de um novo começo sofrem um desafio numa noite.
O Mau Rapaz: Travis Maddox, sensual, atlético e coberto de tatuagens é exactamente o que Abby precisa – e quer – evitar. Ele passa as noites a ganhar dinheiro num clube de combate e os dias no colégio Lothario.
Desastre Iminente?... Intrigado pela resistência de Abby ao seu charme, Travis entra na sua vida por uma aposta. Se perder, deverá viver em celibato durante um mês. Se Abby perder, terá de viver no apartamento de Travis por um período semelhante.
…Ou o Princípio de Algo Maravilhoso? Travis não faz ideia de que encontrou uma parceira de jogo à altura. Ou será o princípio de uma relação obsessiva que irá conduzi-los a um território inimaginável…

 

Opinião:

Ora que bela surpresa que este livro me saiu. Já não me sentia assim desde o Easy. existem de facto imensas semelhanças, mas mesmo assim não têm nada a ver um com o outro.

 

 

 

Eu sou uma betinha. Não ando de cor-de-rosa e saia todos os dias (aliás, ando sempre de calças), mas sou uma betinha. É por isso que quando digo que adoro ver homens tatuados, as pessoas olham-me como se eu tivesse 3 cabeças. Mas é a verdade. E não, não são só aquelas tatuagens solitárias aqui e ali no corpo; são as 'mangas' que eu mais gosto de ver. Mas também gosto de pele limpinha, não se aflijam.

 

Acho imensa piada a este género de história: bad boy que vai atrás de tudo o que tem saia e de repente encontra uma rapariga que lhe dá para trás e apaixona-se por ela. E não há muito gente que consiga fazer um enredo com estas características funcionar de modo a que não pareça demasiado fantasiado.

 

Adoro, adoro, adoro o Travis. Gosto imenso dele se estar constantemente a meter com a Abby, a chamar-lhe 'pigeon' e andar sempre de roda dela, como se fosse um guarda costas/defensor do mal.

O dinamismo entre os dois é muito engraçado; quase que sentimos a 'pica' que o Travis tem em provicar a Abby mas ao mesmo tempo só dá vontade de o mandar ir brincar com a bichinha para a areia.

 

Todo o enredo é muito 'american college' e há semrpe situações novas a acontecer, quer com as lutas ilegais do Travis ou quando o passado de Poker da Abby se descobre.

 

É sem livro um bom livro de chick-lit, mas nada mais do que isso. Não é fantasticamente eloquente nem tem muitas cenas que nos fazem reflectir na infinidade do universo e afins relacionados, como os romances do Nicholas Sparks. É ideal para fazer ler entre pausas de sagas ou séries grandes, porque é de leitura muito leve e rápida, mas sempre constituiu uma distracção.

2 comentários

Comentar post