Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

Anna e o Beijo Francês (Anna and the French Kiss)

 

 

Autora: Stephanie Perkins

Edição Portuguesa: Quinta Essência

 

Sinopse

Anna Oliphant tem grandes planos para o seu último ano em Atlanta: sair com a melhor amiga, Bridgette, e namoriscar com um colega no cinema onde trabalha. Por conseguinte, não fica muito contente quando o pai a envia para um colégio interno em Paris. As coisas começam a melhorar quando ela conhece Étienne St. Clair, um rapaz deslumbrante - que tem namorada. Ele e Anna tornam-se grandes amigos e as coisas ficam infinitamente mais complicadas. Irá Anna conseguir um beijo francês? Ou algumas coisas não estão destinadas a acontecer?

 

Opinião

Nunca cheguei a pensar que ia gostar tanto deste livro. Pensava que no máximo lhe ia dar umas 3 estrelas no Goodreads. Porquê? Porque apesar da sinopse me parecer minimamente interessante, não gosto de França. Não é nada pessoal contra alguém específico, simplesmente não gosto; não gosto de francês (tanto que dos 3 anos que tive na escola, já só sei dizer 'je ne parle pas français'), acho que a maioria das pessoas são extremamente complicadas e convencidas e a gastronomia é muito sobrevalorizada. O que se salva são os pontos turísticos, a Chanel e os macarons.

 




Não faço a mínima ideia se o que escrevi está vem escrito, culpem o Google tradutor.

 

Apesar de não desejar por nada deste mundo que os meus pais me mandassem para um internato num país onde nem falo a língua mãe, tenho sempre curiosidade para este tipo de tema, 'boardng school' fora do nosso país.


Pensei sinceramente que com 'French Kiss' no título, iam existir montes de línguas em bocas alheias, mas afinal contam-se pelos dedos de uma mão a quantidade de beijos que a Anna distribuiu.

Também achei por momentos que se calhar me ia arrepender porque este livro podia muito bem ser um romancezeco pensado directamente para adolescentes histéricas e com expectativas completamente surreais do que é estar sozinho num país que não é o nosso.. Mas o tiro saiu-me pela colatra. Anna e o Beijo Francês é muito mais do que um livro escrito para pitas de 15 anos sem nada a não ser vento dentro da cabeça (esta era a minha opinião original).

 

Tem uma escrita bastante leve. Mesmo assim, a autora conseguiu construir uma história com profundidade e ficar-se em situações que vão muito para além da paixoneta por um rapaz com cabelo fantástico e sotaque britânico. São realmente este tipo de situações que me fizeram gostar tanto deste livro: a imprevisibilidade de situações que se assemelham a algo que pudesse acontecer acontecer na vida real foi sem sombra de dúvidas um ponto forte nesta história.

 

É claro que a existência de um rapazito giro deu a sua pitada de interesse à história. Éthienne. É-thi-énne. Adoro este nome! Soa tão bem. Às vezes apetecia-me abaná-lo um bocadinho, principalmente quando ainda continuava com a namorada quando já não estavam bem, mas à parte disso foi um fofo. Foi primeiro amigo e depois namorado. Não, minto; foi primeiro alvo da luxúria adolescente, depois amigo e finalmente namorado. Ups, spoilers ;D

 

Vou confessar-vos uma coisa: agora até tenho vontade de ir a França. A Stephanie conseguiu criar uma atmosfera nada elaborada em redor do país mas com pontos aqui e ali que prendiam o interesse. E até pode ser que encontre lá o meu rapaz com sotaque britânico e nome sexy.

 

P.S. - juro que não foi por mal, mas eu só consigo imaginar o Nicholas Sparks como pai da Anna. Não é que eu desgoste do senhor, só não sou fã dos livros dele porque acho que é muita lamechada junta. Vá ok, gosto um bocadinho, afinal tenho dois cromossomas X; choro que me desunho a ver O Diário da Nossa Paixão.