Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

feel the pages

uma fangirl obsessiva compulsiva opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção

sobre o blog

uma fangirl obsessiva compulsiva decidiu fazer um blog onde opina e partilha a sua experiência sobre livros de ficção, alguns já existentes em portugal, alguns ainda em tradução e outros sem lançamento previsto nesta miniatura de país.

remember. (QUASE) TODAS AS REVISÕES TÊM SPOILERS, POR ISSO BE AWARE!

A Cidade das Almas Perdidas (City of Lost Souls)

 

 

Autora: Cassandra Clare

Edição Portuguesa: Planeta Editora

 

Sinopse

O demónio Lilith foi destruído e Jace liberto do cativeiro. Quando os Caçadores de Sombras chegam, porém, nada encontram além de sangue e vidros partidos. O rapaz que Clary ama desapareceu, bem como o que odeia: o irmão, Sebastian, determinado a vencer os Caçadores de Sombras.
A magia de Clave não consegue localizar o paradeiro de nenhum dos jovens, mas Jace não pode ficar afastada de Clary. Quando se reencontram, Clary descobre o horror causado pela magia de Lilith - Mal. A Clave está determinada a destruir Sebastian, mas é impossível atingir um dos rapazes sem destruir o outro.

 

Opinião

Se eu pensava que tinha demorado a ler o Fallen Angels, o Lost Souls levou-me a todo um outro nível de procrastinação. Com a semana académica pelo meio, lá fui pondo de lado o livro e só depois é que o li em 3 dias.

 




Pensava que era desta que íamos ter tudo reunido e feliz. Mas com o epílogo do último livro, era mesmo de prever que neste fosse tudo mais do mesmo, e guerras entre o Sebastian e o resto da catrafanga toda de Caçadores de Sombras. Como puderam ler na sinopse, o Jace deu de fuga sabe o Anjo para onde e anda tudo num jogo de gato e rato à procura do rapaz. Mal sabiam eles que ele estava todo amiguinho do Sebastian e que agora eram compinchas, brothers in arms e tudo mais. E não, o Jace não continua possuído pela Lillith........ Tecnicamente xD Não vos vou contar tudo, porque este era o livro em que eu menos sabia o que ia acontecer, e foi onde finalmente voltei a reviver toda a aventura dos Caçadores. Posso, no entanto, revelar que depois a Clary junta-se a eles, e andam os três a viajar pelo mundo, e o Sebastian engana tudo e todos (até eu já começava a duvidar se devia acreditar nele ou não) e depois no fim o Jace fica bom de novo e os bons vencem os maus e fica tudo feliz. Até o Jonathan decidir mandar um bilhetinho a dizer 'Estou a chegar' e FINAL DO LIVRO AGORA AGUENTEM-SE COM O SUSPENSE DURANTE UM ANO!!

  Mas calma, isto não foi só guerras! Também houve imenso espaço para OTP's e shippings e tudo mais. A MAIA E O JORDAN VOLTARAM +.+ Fiquei surpreendidíssima com a felicidade e alegria que eles me proporcionaram no re-relacionamento apaixonante. A Maia não é uma rapariga com a qual me identifique muito, mas sempre senti muita empatia por ela, e até cheguei a odiar o Jordan (juntamente com o Daniel) pelo que lhe fez. Mas depois do plot twist que a história levou e após perceber que o Jordan tem um fundo bom e tudo não passou de um acidente,era um must para mim que eles voltassem, custasse o que custasse. É claro que rejubilei com o primeiro beijo pós-break up, e com tudo mais, apesar de ter ficado ligeiramente surpresa com a ninfomania que para ali ia.

Também existiu espaço para o Simon e a Isabelle. A Isabelle para mim é uma faca de dois gumes, às vezes gosto dela, outras vezes não gosto nada. Quer dizer, desabotoar o botão das calças do Jordan e fazer-lhe festinhas, mas o que é isto?? Estamos nalgum bordel e eu ainda não me tinha apercebido? Não que não me passasse o mesmo pela cabeça, pela descrição do rapaz, não é nada de se deitar fora, mas ainda assim, Isabelle tens de acalmar as hormonas. Anyway, no meio de tanto flirting, ela lá se apercebeu que gostava do Simon e lá ficaram fofinhos, com o Simon a contar-lhe uma histórinha para adormecer (ainda que fosse o Star Wars - que eu gosto muito e acho que nunca faria ninguém adormecer, mas pronto) com a cabecinha dela no ombro dele.. Oh *.*

O CHAIRMAN MEOW VOLTOU!! Passado não sei quanto tempo, finalmente decidiu voltar a aparecer na histórinha e a fazer-me rir (adormecer de barriguinha para cima e as quatro patinhas no ar, quão fofo +.+). O que não foi nada fofo foi o dono dele a acabar com o meu Aleczinho. Mas também, quem é que o mandou ir meter-se com a Camille para tornar o magnus mortal? Brincaste com o fogo, Alec, e agora queimaste-te! Deste-te mal e já queres matar a vampira. Bem feita! A Maureen já tratou do assunto por ti e já não podes fazer nada! (A Maureen saiu-me cá uma bad bitch... esta promete xD) Custou-me imenso eles terem acabado porque já estava demasiado envolvida na relação deles. Era tipo o terceiro elemento daquela relação (eu fazia par com o Presidente Miau). ATÉ CHOREI!!

 

Sem dúvida que fui muito enganada em relação aos The Mortal Instruments. Vinha com uma ideia muito diferente do que realmente a Cassandra idealizou e provavelmente é essa a razão de não estar tão histericamente esganiçada como aconteceu com outros franchisings. Não sou particularmente fã da escrita dela, mas adora cada referência ao mundo real que ela faz, como o 'Coronel Mostarda' do Cluedo, o Naruto, o Star Wars... É provavelmente a credibilidade da verosimilhança que ainda me faz gostar tanto desta história.
Este livro deu-me a sensação de estar tudo a voltar a acontecer como no Circulo dos pais. Foi sem dúvida dos meus preferidos da série, até porque tem muitas referências ao The Infernal Devices (que eu comecei a ler recentemente), com o Irmão Zachariah e dizer que existiam duas pessoas por quem ele dava a vida - se não sabem quem ele é, NÃO VEJAM, vai estragar-vos a surpresa; se forem como eu e gostem de lamechada, é melhor aguentarem-se para depois poderem esganiçar-se com mais fervor.

Por fim, deixo-vos com o fanart dos meus três integrantes do Circulo favoritos (o Robert Lightwood e o Stephen Herondale), feito pela talentosíssima Cassandra Jean, que tem o talento de substituir as representações dos personagens na minha cabeça com os desenhos dela: